O projeto HGE Musical é mais uma estratégia do maior hospital público do Estado para humanizar a assistência, e essa semana teve mais uma edição. Desta vez, pacientes e acompanhantes foram presenteados com músicas sacras, que representam as canções eruditas, próprias da tradição judaico-cristã.

O uso do termo sacra foi registrado pela primeira vez na Era Medieval, conforme destacam os historiadores. Estudiosos sobre História da Música afirmam que o canto gregoriano, gênero musical de cunho vocal, composto por uma única melodia, é a expressão mais antiga que se tem desta vertente musical.

“Nós trouxemos para o HGE esse momento através do Projeto HGE Musical, pois sabemos o poder que a música tem para nos fazer refletir e minimizar as angústias que normalmente acontecem durante o processo de hospitalização”, explicou Luiza Freitas, coordenadora do Serviço Social do HGE.

Segundo ela, os pacientes e acompanhantes aprovaram a iniciativa. Isso porque, conforme a assistente social do HGE, a música relaxa o ambiente hospitalar, leva paz às mentes e corações entristecidos pelas enfermidades e, também, possibilita momentos de descontração e desconexão com os processos terapêuticos.

“Muitos tratamentos são dolorosos, por mais que existam analgésicos, além de serem extremamente longos, como ocorre com os pacientes do Serviço de Ortopedia e do Centro de Tratamento de Queimados. Em muitos casos, eles chegam a ficar internados por vários meses e o Projeto HGE Musical é um alento nos momentos de solidão e de dias a fio confinados em um ambiente hospitalar, ainda que as equipes multidisciplinares atuem para minimizar esses efeitos traumáticos”, salientou Luiza Freitas.

Constatação 

A doméstica Antonieta Mendonça, de 48 anos, filmou as apresentações para guardar de recordação após a alta de sua tia, que estava internada. “Achei tão lindo! A música sacra penetra em nossas mentes e nos enche de calma e paz, proporcionando força e esperança para vencermos o momento de internação da minha tia”, ressaltou.