Alunos do Curso de Formação de Praças (CFP 2023) da Polícia Militar de Alagoas participaram de instruções na Secretaria da Segurança Pública (SSP), na manhã desta sexta-feira (21), como parte da disciplina de Radiocomunicação. Os futuros soldados conheceram a estrutura de atendimento do Disque-Denúncia 181, do Centro de Operações da Polícia Militar e o vídeomonitoramento.

A visita técnica teve como objetivo mostrar como funciona a comunicação entre o Copom e as guarnições de serviço na rua e foi acompanhada pelo chefe de Manutenção das Comunicações da SSP, subtenente Lorinaldo Pereira. Para a cabo Karolinne Tenório, instrutora de Radiocomunicação do 15º pelotão do CFP 2023, esse é o momento de integrar o conhecimento adquirido em sala de aula com o prático.

“É importante que esses alunos tenham essa vivência, para que, quando estiverem formados e forem para as ruas, tenham um melhor entendimento de como funciona essa comunicação entre a sociedade e as forças de segurança”, disse a instrutora.

Na palestra da chefe do 181, Eliane Araújo, os alunos conheceram também o Disque-Denúncia e puderam compreender como é feito o serviço, sobre o anonimato das denúncias, coleta de informações e o cuidado no atendimento ao denunciante.

O aluno-soldado Marcelo Assis destacou a singularidade do atendimento promovido pelo Disque-Denúncia. “Aprendemos aqui que o atendimento do 181 não é um serviço comum. Devemos levar em conta diversos fatores, como o contexto psicológico e social, para poder conseguir absorver o máximo de informações possíveis. Assim, podemos ser mais efetivos ao averiguar uma denúncia”, disse.

A visita técnica foi acompanhada pelo chefe do Centro Integrado de Operações de Segurança Pública (Ciosp), capitão Luís Fernando Alencar, que reforçou a importância desse tipo de ação na formação do agente de segurança pública.

“Os futuros policiais precisam ter conhecimento de como funcionam todas as atividades que podem ser desempenhadas pelas forças de segurança no estado e como as ferramentas usadas nesses setores contribuirão para a execução do trabalho e, consequentemente, para o combate à criminalidade. Teoria e prática precisam andar juntas, e isso fortalece o serviço prestado à população”, afirmou.