Ao longo do ano, a Defesa Civil de Maceió utiliza equipamentos, chamados pluviômetros, para medir a quantidade de chuvas que cai na capital. Esses equipamentos, espalhados por vários bairros da cidade, fornecem dados fundamentais para ajustar o nível operacional de atuação da Defesa Civil. As informações são coletadas no Centro Integrado de Monitoramento e Alerta da Defesa Civil (CIMADEC).

Entendendo os Níveis Operacionais de Atuação

“A partir de 10 mm de chuvas em 24 horas, entramos em nível operacional de observação; com 30 mm em atenção; 70 mm, em alerta e, acima de 100 mm, em alerta máximo”, explica o meteorologista da Defesa Civil Municipal, Hugo Carvalho. Para cada um desses níveis, há ações específicas previstas no plano de enfrentamento ao período chuvoso, o Previne Maceió. Por exemplo, quando se acumula 70 mm de chuva em 24 horas, as vistorias nos pontos mais críticos da capital são intensificadas e uma sala de situação com todas as secretarias envolvidas é instalada.

A Importância da Coleta de Dados e do Planejamento

Esse planejamento prévio garante que todos os departamentos estejam preparados para atuar com agilidade quando necessário. Abelardo Nobre, coordenador geral da Defesa Civil, ressalta a importância desse trabalho: “Nosso tempo de resposta é muito importante para atender a população nas ocorrências, principalmente as que chegam em dias muito chuvosos. Por isso esses dados coletados pelos pluviômetros e as ações estabelecidas no Previne Maceió, são indispensáveis para nossa atuação.”

Entendendo Como a Chuva é Medida

A quantidade de água captada pelo pluviômetro é mostrada em milímetros. Por exemplo, uma chuva de 1 mm é equivalente a 1 litro de água em uma área de 1 metro quadrado. A depender da quantidade de chuva, demandas como alagamentos, deslizamentos de barreiras e desabamentos podem começar a surgir, levando a Defesa Civil a iniciar ações de resposta à população.

Previne Maceió: Um Plano de Enfrentamento

O plano Previne Maceió, de extrema importância, delineia as atividades de cada secretaria em situações de eventos extremos, como fortes chuvas e/ou inundações. O trabalho de cada secretaria é voltado para prevenir que os possíveis desastres causem grandes danos à população. Entre as principais ações, estão a aplicação de lonas nas encostas e a limpeza e desobstrução de galerias de águas pluviais e canais.