Doze estudantes da rede estadual foram premiados na Maratona Alagoana de Lógica, durante a Semana Interinstitucional de Pesquisa, Tecnologia e Inovação na Educação Básica (Sinpete), realizada pela Universidade Federal de Alagoas (Ufal).

As estudantes Maria Isadora Brito, Rikelly Tauany da Silva Ribeiro e Maria Vitória Sabrina da Silva Nascimento, da Escola Estadual Humberto Mendes, de Palmeira dos Índios, conquistaram a medalha de ouro na competição. Já a Escola Estadual Almeida Cavalcanti, também de Palmeira dos Índios, conquistou o bronze com duas equipes de nível médio formada pelos estudantes Kézia dos Santos Silva, Ariel Roberto Mendes de Lima, Pedro Arthur Silva Azevedo, Carlos Augusto Cardoso da Silva, Anita Grazielly Vieira Mendonça, José Gabriel da Silva Vilela, Dimas Gabriel Lima Toledo de Oliveira e Filemon Marcelo da Silva Leite. A Escola Estadual Theotônio Vilela Brandão, de Maceió, conquistou a medalha de bronze com o estudante Ruan Lima.

As duas unidades de ensino também foram destaque nos jogos de dama e xadrez, foram com os estudantes José Júnior, da Humberto Mendes, e Anita Grazielly e Filemon Leite, da Almeida Cavalcanti.

A cerimônia de entrega das medalhas, realizada na Reitoria a Ufal, foi prestigiada pela titular da 1ª Gerência Especial de Educação, Anne Kelly Ferreira, e pela diretora da Escola Theotônio Vilela Brandão, Rosângela Correia.

Premiados

Os estudantes premiados dizem que participar da Maratona de Lógica foi uma experiência transformadora.

A medalhista de ouro Maria Isadora Brito, de 11 anos, elogiou a organização do evento. “Foi tudo impecável; nunca havia participado de algo assim. Ganhar esta medalha foi muito importante para mim e minhas companheiras de equipe, pois sei que este prêmio vai nos ajudar muito no futuro”, comenta a aluna do 6º ano do ensino fundamental.

Também de Palmeira dos Índios, Filemon Marcelo e Pedro Arthur, medalhistas de bronze pela Escola Almeida Cavalcanti, querem ser referência para outros estudantes da região. “Estou na 3ª série e encerro meu ensino médio com esta medalha. Mas quero que meu exemplo estimule outros estudantes de Palmeira a participarem da Maratona”, fala Filemon.

“Recebemos o incentivo de nosso professor Lucyan e queremos incentivar outros alunos a participarem. Nem sempre quem tenta ganha, mas todos que já ganharam, tentaram”, complementa Pedro Arthur, da 1ª série do médio.

Aos 17 anos, Ruan Lima, da Theotônio Vilela Brandão, fala do orgulho em receber a medalha de bronze. “Ela representa a recompensa do meu esforço e mostra que nós, da escola pública, também podemos conquistar premiações como esta”, destaca o aluno da 2ª série do ensino médio.

 

Motivação

Responsáveis por preparar os estudantes premiados, os professores Lucyan Mendonça, de Palmeira dos Índios, e Urandy Carlos, de Maceió, frisam que a Maratona Lógica, além de promover a aprendizagem, funciona como um instrumento motivacional para os estudantes.

“Para nós que somos do interior, este evento proporciona uma experiência diferenciada que integra jogos e raciocínio lógico. Além disso, nossos alunos têm o primeiro contato com a Ufal, o que fortalece neles o desejo de estudar aqui como universitários”, observa Lucyan, que é coordenador pedagógico da Escola Almeida Cavalcanti.

“Por meio dessa premiação, nossos alunos enxergam seu potencial e percebem que podem ir ainda mais longe. Além disso, ao se acostumarem com o raciocínio lógico, resolverão cálculos sem muito esforço e terão domínio de um conteúdo cada vez mais cobrado em concursos públicos”, pontua Urandy.

O evento

Promovido pelo Instituto de Matemática da Ufal, a Maratona Alagoana de Lógica contou com a participação de 32 escolas públicas e privadas – sendo quatro da rede estadual – e 120 equipes compostas de alunos do ensino fundamental ao médio, que participaram de competições de jogos de xadrez, mancala, trilhas, damas, cubo mágico e de uma prova com 12 questões de raciocínio lógico. Na prova, 44 equipes foram premiadas, sendo quatro da rede estadual.