O índice de desempenho socioeconômico (IDS) de Alagoas registrou um crescimento de 17,8% entre 2009 e 2018, segundo dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Nesse período, o IDS alagoano saltou de 4,416 para 5,204, superando a média nacional de crescimento, que foi de 12,8%.

Como o IDS é calculado

O cálculo do IDS leva em consideração a Renda Disponível Familiar Per Capita (RDFPC) e o Índice de Perda de Qualidade de Vida (IPQV). A RDFPC avalia o progresso socioeconômico com base na renda, enquanto o IPQV indica as privações enfrentadas pela população. Para calcular o índice, são considerados quesitos como bem-estar, desigualdade, exclusão social e pobreza, além de características das pessoas de referência das famílias, como cor ou raça, sexo, idade e renda.

Interpretação dos dados pelo IBGE

Leonardo Oliveira, analista da pesquisa do IBGE, explica que o índice de desempenho socioeconômico reflete a quantidade de recursos gerados por uma sociedade e a perda de qualidade de vida que ela sofre em determinado período. Ele também destaca que o índice permite comparar as diferentes unidades da federação em uma métrica comum. Segundo Oliveira, o indicador de cada dimensão permite calcular a perda que cada pessoa tem em sua qualidade de vida, como ter um lazer considerado ruim ou passar tempo demais no transporte.

Melhoria na qualidade de vida em Alagoas

Em Alagoas, as privações recuaram de 0,310 para 0,216 entre 2009 e 2018. Isso indica que a qualidade de vida do alagoano aumentou 30,3% em dez anos. O item que mais contribuiu para a melhoria do desempenho socioeconômico foi o acesso a serviços financeiros e padrão de vida, com 20,1% do total. Em seguida aparecem educação (19,5%), acesso aos serviços de utilidade pública (18,3%), moradia (15,5%) e transporte e lazer (11,9%).

Declaração do secretário de Estado

Gabriel Albino, secretário de Estado de Planejamento, Gestão e Patrimônio, atribui o aumento na qualidade de vida da população alagoana ao trabalho desenvolvido pelo Governo do Estado em diversas áreas. Albino destaca que, após um ajuste fiscal nas contas públicas, os recursos e os programas de governo têm sido revertidos para a melhoria da qualidade de vida da população. Ele reforça que o desempenho de Alagoas, melhor que a média brasileira, é uma evidência do sucesso das políticas públicas do governo estadual.